Música

Efeito Fade

08 agosto 2018

Resenha #52 - A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar

Título do Livro: A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar
Autora: Esther Earl
Editora: Intrínseca
Páginas: 448
Sinopse: 
A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar conta a história de Esther Grace Earl, diagnosticada com câncer da tireoide aos 12 anos. A obra é uma espécie de diário da jovem, com ilustrações, fotos de seu arquivo pessoal, textos publicados na internet, bate-papos com os inúmeros amigos que fez on-line e reproduções de cartas escritas em datas comemorativas como aniversários. A jovem perdeu a batalha contra a doença, mas deixou um legado de otimismo e celebração ao amor. Atualmente sua mãe, Lori Earl, preside a instituição sem fins lucrativos This Star Won't Go Out (tswgo.org), que apoia pacientes e famílias que lutam contra o câncer.



Olá literários e pessoas apaixonadas por livros em geral!!!
Tudo bem com vocês??

Dia 3 de Agosto foi "Esther Day" e eu não vou me debruçar aqui explicando o que é esse dia para mim como Nerdfighter, pois quem acompanha a gente no Instagram (@lereliterario) deve ter visto o post que fiz explicando melhor sobre esse dia (se não viu é só clicar aqui) e tem um vídeo dos vlogbrothers que explica melhor sobre esse dia (e claro se você é bom, ou tenta arranhar o Inglês vai assistir. E claro se você amar John Green e Hank Green vai assistir com mais certeza ainda rsrsrsrs) é só clicar aqui.

"Enquanto muitos casais dizem: 'eu te amo' muitas vezes ao dia, esses outros tipos de amor, os que Esther sentia, muitas vezes passam despercebidos."

A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar (This Star Won't Go Out) é um livro que pra mim ainda fica difícil dizer que é de autoria da Esther Earl, pois a mesma nunca esperou que sua própria história fosse contada um dia ou até mesmo publicada e isso ocorreu através da intervenção de seus pais Lori e Wayne Earl que acabaram resolvendo trazer sua história para que mais pessoas conhecessem. O livro sobre a vida dessa jovem menina de nome com significado de estrela foi lançado aqui no Brasil pela Editora Intrínseca e no mesmo vamos conhecer sobre a pessoa que acabou recebendo a dedicatória de A Culpa é das Estrelas.

Foto: Ler é Literário
"Fico surpreso que o livro tenha encontrado um público tão grande, mas a pessoa que eu mais queria que o tivesse lido nunca o fará."

Com introdução feita por John Green o livro irá trazer uma história que não se pensava ser contada, pois como eu disse a própria Esther não imaginava isso. Ela tinha aptidões para escrita e tinha histórias iniciadas ao qual nunca chegaram a ser terminadas, mas que eram algo que não envolvia sua vida pessoal.

"Sempre que escrevo alguma coisa e releio, faz pouco sentido. Talvez eu seja inteligente demais para o meu próprio cérebro. (;"

Se você espera uma biografia em que já se sabe o que está sendo escrito a cada palavra, então pode repensar isso pois o livro não trará nada desse tipo. Aqui você tem trechos de cartas, trechos de diários escritos, desenhos, relatos de familiares e amigos que chegaram a conhecer essa menina incrível que foi a Esther. É simplesmente algo que representa a graça, força de uma estrela que marcou e marca a todos que a conheceram e os que não chegaram a conhecê-la.

"Esther nunca foi uma moça infeliz. Sempre estava alegre e disposta a uma aventura!"

No livro podemos conhecer um pouco sobre a infância da menina de olhos claros, com sardas e dona de um cabelo maravilhoso. Mas aqui também podemos ver sobre seu diagnóstico e sobre como era ser uma adolescente com câncer, e lutando contra o mesmo pois temos acesso a seus pensamentos e até conversas de bate-papo com amigos.

"É muito difícil deixar pessoas novas entrarem em nossos eus desinteressantes, desconfortáveis e sombrios da vida real ; on-line, é fácil estabelecer contato com pessoas com as quais você fala regularmente por multiplataformas, mas com quem nunca realmente se abre."

Foto: Ler é Literário
O livro não é algo que a cada virada de página você já espera o que vem a seguir, pois não se dar pra saber o que virá logo depois. Você terá momentos de uma Esther totalmente alegre com coisas que estão acontecendo, ou falando bobeiras, ou até mesmo uma menina que está um tanto cansada de tudo pelo que está passando. E terá uma Esther muito família, pois a mesma amava muito seus familiares e seus amigos.

"Eu gostaria de fazer coisas e apenas VIVER, porque, se eu morrer logo, ficar sentada no meu quarto e sair de vez em quando não vai dar certo. É tão difícil me mexer. Sabe do que eu tô falando? Eh a vida."

Esther era uma menina como todos nós que gostava de séries, filmes, músicas, livros, conversar com os amigos, fazia parte de uma comunidade que atualmente é enorme, era fã de várias pessoas e queria viver coisas de adolescente, como por exemplo: Dar seu primeiro beijo.

"Você não pode acreditar, mas quero uma porcaria de beijo. É uma coisa normal que eu talvez nunca tenha, mais uma coisa que vou perder. Suspiro."

Eu admito que eu não sei o que esperava desse livro quando peguei para ler, eu simplesmente só tinha me planejado ler ele durante o "Esther Day" e... Caramba!!! Como eu queria ter conhecido a Esther. Porque por mais que o livro me faça sentir que a conheci nem que seja um pouquinho, eu ainda queria ter conhecido essa menina que até apaixonada por Doctor Who era e que não se via sendo muito do que as pessoas viam nela.

"[...] não sou muito artística, não sou muito nerd, não sou muito popular, não sou muito engraçada/palhaça. Não sou muito rebelde. Não me encaixo em grupo nenhum."

Eu posso dizer que a diagramação do livro está linda demais, tanto com: fotos, desenhos, reprodução de cartas, páginas enfeitadas e coloridas, tradução maravilhosa e meu DEUS!!! 😱 O que é essa capa!? 😍 A Editora Intrínseca realmente caprichou.

"Poderíamos provar que a fantasia não é uma fuga do nosso mundo, mas um convite para se aprofundar nele. Como era de se imaginar, a maioria das pessoas achava que eu era louco."

Foto: Ler é Literário
Eu me vi tendo uma mistura de sentimentos sobre esse livro e acho que o que mais prevaleceu foi que enquanto estava lendo, eu também perdia essa nossa estrela. Acho que as partes mais difíceis e que sempre me via chorando foi quando era dado algum prognóstico de que o câncer tinha avançado, ou quando ela mesmo dizia que estava cansada e preocupada por conta disso. Mas as lágrimas caiam mesmo quando se era mostrado o amor pela Esther e o amor dela pelos outros.

"Wayne diz que o câncer é como lutar no front de batalha, achando estar vencendo, depois descobrir que o inimigo chegou escondido para atacar também pelo outro lado."

A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar é um livro que eu não tenho definição, não tenho palavras e talvez por isso a resenha possa ter se tornado repetitiva em algumas partes (se não em toda ela). Porém, eu só posso dizer que o senti e que terminei o livro sem estruturas como se tivesse perdido algo, e talvez tenha perdido. Eu não sei dizer o que vocês esperam que eu diga... Se eu recomendo, ou não recomendo?? Bem fica difícil não recomendá-lo, mas também fica difícil recomendar pois eu sei que muitas pessoas não gostam de livros do gênero. Mas eu acho que é um livro que você precisa senti-lo e ver como irá terminar no final.

"É que... só quero que alguém pergunte como realmente me sinto. Ainda sinto dor por dentro, não importa o quanto pareça feliz por fora."

E dessa vez vou terminar essa resenha diferente, simplesmente dizendo: Não esqueça de ser incrível 🖖🏼

16 comentários :

  1. Tudo bem? Eu ainda não li esse livro. Mas ele tem um poder apelativo bem grande e que também faz os leitores refletir.
    Estou bastante curiosa para ler o livro, pois a história com certeza é algo no mínimo reflexiva. Acho interessante o livro não ser uma biografia comum e sim trazer trechos de cartas e outros o que torna a leitura dinâmica e ainda mais intensa com esse conteúdo denso.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Oiiiii,

    Eu li este livro logo quando ele lançou vou te dizer que eu chorei muito! Achei muito simples a maneira como ela lidou com tudo e foi um belo ensinamento. Quando eu li eu mudei completamente a maneira como eu via as coisas e foi um livro que para além de uma história muito bonita, me serviu como um grande ensinamento. É uma excelente dica!

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Antônia,
    Não sei se conseguiria ler esse livro. Sei que iria chorar horrores! Toda história de luta e superação de pessoas com câncer ou qualquer outra doença grave meche muito comigo. Recentemente, uma amiga veio a falecer por causa da doença. Ela lutou bastante contra o câncer e sempre esteve envolvida em projeto de ajuda aos mais necessitados. Projeto que sua mãe e seu filho continuam mantendo vivo.
    Um livro super importante, mas vou deixar a dica passar.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  4. Uau! se a resenha foi densa assim, imagino o livro.
    Me pareceu bastante intensa e muito bem escrita.
    Não costumo ler livros com essa temática tão real e um pouco triste, no entanto, devo ressaltar que sua resenha foi estruturada de uma maneira muito diferente e ficou muito inteligente.
    Adorei a quantidade de quotes e as fotografias.
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Vi que você leu Deus do Oceano, Gostou?
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá André!!!
      Desculpa a demora em responder, mas eu li "Deus do Oceano" e gostei do trabalho das autoras em cima dele.
      Ainda vou trazer resenha dele, então caso queira aguardar para ver minha opinião em si sobre o trabalho é só aguardar ^^
      Obrigada por comentar!!!

      lereliterario.blogspot.com

      Excluir
  6. Oi! Nunca dei muita bola para esse livro, porque sei que quando eu ler vou chorar muito rsrs Eu evito ler histórias assim, mas com essa resenha bem explicativa me deixou bastante curiosa. Não sabia que ele possuía esse material da própria Esther.
    Acho que vou me arriscar e adicionar à minha lista!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oii.
    Fiquei com vontade de ler esse livro quando li a culpa é das estrelas, mas acabou passando a vibe e eu acabei esquecendo ele. Foi muito bom ler sua resenha para sentir novamente a vontade de lê-lo.
    Abraços, Mary

    ResponderExcluir
  8. Oie, Antonia!

    Nossa! Já conhecia esse livro mas não sabia que a dedicatória de A culpa é das estrelas era para ela. Comovente!

    Eu adoro livros emocionantes mas confesso que esse ainda não tinha chamado atenção. Sua resenha me fez acender a vontade de ler. Já vou colocar na lista.

    Bjo

    ResponderExcluir
  9. Lembro de ter ficado bem curiosa quando este livro foi lançado, mas aos poucos fui esquecendo dele e admito que só lembrei dele agora.

    Sua resenha me fez reviver aquela curiosidade inicial e desta vez ele não escapa, já salvei na listinha do skoob para não passar pelo esquecimento de novo hehehe

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Esse livro eu pulei na época porque não queria sofrer! Eu também havia acabado de ler ACEDE e não podia encarar outra leitura emocionalmente desgastante. Deixei meio lado por um tempo e acho que ainda não posso me dedicar a leituras tão tristes. Só a resenha me deixou com o coração super na mão. Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Olhando a capa não daria nada por essa leitura. Amo livros com esse teor, mesmo me deixando com coração partido, no final fica sempre a sementinha de que devemos aproveitar o máximo tudo o de melhor que vida tem para nos proporcionar.
    Sem dúvidas vai pra lista de leituras.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. Olaar!

    Deixa eu te contar que até hoje não tive coragem de ler/ver A culpa é das estrelas. Eu sou uma pessoa muito chorona, e por esse motivo eu fugi dessa história e fujo até hoje!

    Por esse motivo nunca tive curiosidade de ler esse livro... Mas que bom que você gostou tanto dele!

    Ótima resenha!

    Beijos

    www.thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Parabéns pela publicação, ficou bem legal. Você acredita que até hoje eu nunca li "A culpa é das estrelas", também não assisti ao filme, mas quero tanto ler quanto ver. Sobre o livro "A estrela que nunca vai se apagar" eu não conhecia, achei a premissa interessante, mas infelizmente no momento não pretendo ler.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Olá, Antonia

    Eu conheci o livro na época do lançamento mesmo, e imagino que realmente seja uma história emocionante e inspiradora. Fico contente que ele tenha te tocado dessa forma e que a história dela pode lhe ensinar algo. Não é um livro que eu leria, mas entendo sua importância e espero que ele nunca caia no esquecimento.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?
    Quis ler esse livro na época do auge de A culpa é das estrelas, mas acebei deixando passar e não fazendo a leitura. Hoje já não estou mais na vibe para essa leitura.
    Bjs, Mary
    https://romancedeepocaevida.blogspot.com/

    ResponderExcluir